O Sono


 

Sono

 

 

                               O Sono

“Bom sono e boa comida acrescentam a vida” – Provérbio.

O sono consiste de função fisiológica altamente complexa em que ocorre alteração das ondas do cérebro, ou seja, enquanto dormimos o cérebro continua em atividade e repara seu mecanismo para o dia seguinte.

O sono tem papel fundamental na reparação física e mental. Durante a vigília nosso corpo se prepara para o sono.

Recém-nascidos podem dormir de 14 a 20 horas por dia, somando os episódios de sestas.

O sono do lactente atualmente está vinculado aos aspectos sociais da família: se frequenta creche, se é cuidado por babás, avós, entre outros aspectos influenciadores dos hábitos de dormir na criança menor. O ideal é observar o choro e sonolência, fácil de ser reconhecido pelos cuidadores dos pequenos. Quando o choro por sono aparecer, o lactente precisa ser colocado para dormir.

Até os 3 anos de idade a necessidade de sono vai diminuindo e varia entre 12 e 14 horas.

Aos 6 anos a criança dorme cerca de 11 horas.

Na adolescência a média de sono varia de 6 a 9h e alguns jovens adotam o hábito de dormir até mais tarde nos finais de semana.

A média de sono nos adultos é de 8 horas diárias.

O sono do idoso pode variar de 4 a 6 horas por dia.

Hipócrates e Aristóteles já estudavam as origens do sono. No século XX descobriu-se que durante o estado de vigília são fabricadas substâncias indutoras do sono.

Dormir bem é um indicador de boa saúde.

Leitura recomendada:

Sono & Saúde – Interface com a Psicologia e a Neurologia.

Reimão, Valle, Valle e Rossini.

Editora Novo Conceito Saúde, 2010.

 

Edição – Rosana Rocha

 

SONO


SONO

Dormir bem é sinal de saúde saudável e ao contrário do que se pensava antigamente, enquanto dormimos nosso cérebro continua trabalhando.

O sono, considerado função fisiológica natural e essencial, restaura nosso corpo, para que funcione satisfatoriamente no dia seguinte.

Enquanto dormimos, a atividade cerebral muda e pode ser visualizada por aparelhos que auxiliam o médico especialista em sono a identificar qualquer distúrbio.

Atualmente a área que cuida da saúde do sono é chamada de Medicina do Sono. O sono é organizado em cinco estágios com cerca de 90 minutos, e se repetem aproximadamente cinco a seis vezes durante a noite, de acordo com Bulgari e Freitas (2001).

A pesquisadora Rossini explica que a qualidade do sono noturno afeta diretamente nossas atividades diárias.

Existem vários transtornos do sono que podem afetar nossa saúde, tais como: ronco, apneias, insônia, entre outros. De acordo com o Dr. Lecendreux de Paris, 30% das pessoas no mundo têm insônia e 10% possui outros desconfortos relacionados ao processo do sono.

E sim, garantem os especialistas: o corpo se recompõe durante o sono, proteínas são sintetizadas e o cansaço do dia anterior vai embora. Rosto e corpo recuperam seu viço.

Vamos conversar sobre diversos aspectos relacionados ao sono nas próximas postagens.

 

Referências

REIMÃO, Rubens. Avanços em Medicina do Sono. 1ª edição. São Paulo: Associação Paulista de Medicina, 2001, 446p.

REIMÃO, Rubens, VALLE, Luiza, VALLE, Eduardo, ROSSINI, Sueli. Sono&Saúde, Interface com a psicologia e a neurologia. 1ª edição.  Ribeirão Preto: Editora Novo Conceito. 2010, 224p.

LECENDREUX, Michel. Sono, 100 Perguntas e Respostas. 1ª edição. São Paulo: Larousse, 2003, 315p.

Por Rosana Rocha 19/03/2014  23:45h