O Sono


 

Sono

 

 

                               O Sono

“Bom sono e boa comida acrescentam a vida” – Provérbio.

O sono consiste de função fisiológica altamente complexa em que ocorre alteração das ondas do cérebro, ou seja, enquanto dormimos o cérebro continua em atividade e repara seu mecanismo para o dia seguinte.

O sono tem papel fundamental na reparação física e mental. Durante a vigília nosso corpo se prepara para o sono.

Recém-nascidos podem dormir de 14 a 20 horas por dia, somando os episódios de sestas.

O sono do lactente atualmente está vinculado aos aspectos sociais da família: se frequenta creche, se é cuidado por babás, avós, entre outros aspectos influenciadores dos hábitos de dormir na criança menor. O ideal é observar o choro e sonolência, fácil de ser reconhecido pelos cuidadores dos pequenos. Quando o choro por sono aparecer, o lactente precisa ser colocado para dormir.

Até os 3 anos de idade a necessidade de sono vai diminuindo e varia entre 12 e 14 horas.

Aos 6 anos a criança dorme cerca de 11 horas.

Na adolescência a média de sono varia de 6 a 9h e alguns jovens adotam o hábito de dormir até mais tarde nos finais de semana.

A média de sono nos adultos é de 8 horas diárias.

O sono do idoso pode variar de 4 a 6 horas por dia.

Hipócrates e Aristóteles já estudavam as origens do sono. No século XX descobriu-se que durante o estado de vigília são fabricadas substâncias indutoras do sono.

Dormir bem é um indicador de boa saúde.

Leitura recomendada:

Sono & Saúde – Interface com a Psicologia e a Neurologia.

Reimão, Valle, Valle e Rossini.

Editora Novo Conceito Saúde, 2010.

 

Edição – Rosana Rocha

 

CRIANÇAS, OUTONO E ALERGIAS


TEMPO SECOCRIANÇAS, OUTONO E ALERGIAS

Nosso Bem-Estar está diretamente ligado à saúde de nossas crianças: se elas estão bem, nós também!

Toda mudança de estação traz também alterações no ar que respiramos. No Brasil, estamos no início do Outono e alguns cuidados precisam ser tomados com relação ao ar seco.

“Aquela” terrível mania de cutucar as cacas deve ser abolida da agenda da criançada, seja através de brincadeiras, histórias ou conversa franca mesmo de acordo com a idade e entendimento da criança.

Quando o nariz é cutucado, podem ocorrer microlesões que abrem caminho para vírus e bactérias.

As farmácias têm várias apresentações de soro fisiológico para manter as narinas úmidas. Quando a umidade do ar estiver muito baixa, ofereça à criança o soro fisiológico para evitar o incômodo do ressecamento nasal. Duas a três vezes ao dia já serão suficientes para prevenção, mas consulte o pediatra para que oriente essas medidas.

INALAÇÃO

Alguns cuidados precisam ser observados:

  • Ao constatar que a umidade do ar vai permanecer baixa por muitos dias, ligue o nebulizador e deixe poucas horas à noite;
  • Caso seu filho já tenha anticorpos para fatores alérgicos constatados em testes e exames, leve muito a sério os cuidados para esse período;
  • Nunca utilize vassoura dentro de casa, limpe o chão com um pano úmido.

QUARTO

PELÚCIAS NO QUARTO PELÚCIAS NO QUARTO

  1. Evite móveis em excesso, dê umas férias às cortinas, ou lave-as com frequência;
  2. Opte por revestimento impermeável em almofadas decorativas;
  3. Separe de uma a três pelúcias que a criança vai sentir falta e as outras, convém guardar. Escolha um local onde a criança não vai ter acesso, para evitar que entre em contato com poeiras e ácaros;
  4. Não alise o lençol, levante-o todos os dias e sacuda para eliminar resíduos cutâneos evitando o ataque noturno de ácaros.

QUARTO E MÓVEIS

 

LIMPEZA DAS PELÚCIAS

 

  1. Uma opção é inserir no saco protetor de lavagem de pelúcias e colocar na máquina uma vez por semana;
  2. Passe a espuma do sabão em pó, espere secar e embale em saco plástico. Coloque no freezer por 24h para exterminar os ácaros.

 

DECORAÇÃO

CRIANÇAS, OUTONO E ALERGIAS

  1. Observe que a Cinderela virou a Bela Adormecida. Recorra a caixas de plástico para guardar ou decorar brinquedos e objetos pequenos, evitando o acúmulo de pó no quarto;
  2. Deixe de fora das caixas, apenas os brinquedos que a criança brinca mais;
  3. O Rex está fazendo inalação: incorporar o cuidado com as crianças às suas fantasias auxilia na aceitação do tratamento, principalmente em crianças menores;
  4. O tapete mimoso de crochê que a vovó fez, deve ser lavado e guardado nesse período. O ideal é utilizar tapetes de EVA que têm infinitos temas de decoração;
  5. Na mesa de cabeceira ou criado mudo, deixe os itens guardados em caixas para facilitar a limpeza.

 

 

LOCAL DE BRINCAR

LOCAL DE BRINCAR

  • Para quem tem mais espaços na casa, deixe a cômoda e as roupas de cabide no closet;
  • Brinquedos, se possível, precisam ser colocados em outro ambiente;
  • Para crianças maiores, prateleiras de vidro são excelente opção. O material facilita a limpeza e a visualização de possíveis partículas de pó;
  • As caixas de plástico transparentes ajudam os pequenos a identificar o conteúdo.

 

ADAPTANDO

  • Para as crianças que têm uma rotina de alergias, inclua junto aos brinquedos, os materiais para uso de cuidados respiratórios. Dessa forma, o pequeno vai se acostumando com esse hábito e não vai associar a um “bicho de sete cabeças” que o afasta do brincar.

CRIANÇA E SEU COTIDIANO

  • Durante o procedimento de inalação, ofereça brinquedos à criança, ligue a TV, o computador, etc. Essa rotina não pode afastar os pequenos de seu cotidiano.

DEC. BRINQ.

  • Brinquedos muito pequenos podem compor cenários em caixas transparentes. Experimente.
  • As caixas personalizadas também ajudam a criança a diferenciar seus objetos e colorem o ambiente.

BRINQUEDOS E DECORAÇÃO

Adote essas mudanças com naturalidade, afinal temos as facilidades da vida moderna, mas também alguns desafios para lidar.

Delegue tarefas aos pequeninos, eles vão se sentir importantes, além de desenvolver uma postura pró-ativa: dê um pano umedecido em água e amaciante (se a criança não for alérgica) para a limpeza das caixas e dos brinquedos.

Será tudo uma brincadeira.

Brinque de ser Clean nesse Outono!

Edição: Rosana Rocha